Empréstimos Coletivos Polkadot Kusama
Gustavo Massena

Tradução Gustavo Massena – Advogado por acidente e empreendedor patológico. É Embaixador Polkadot, Sócio do Templo, co-fundador do Templo Ventures, Fundador e Diretor do Instituto bi0s (Unicamp) e consultor na Hathor Venture Builder.


Artigo Original escrito por Bill Laboon, Diretor de Educação e Comunidade na Web3 Foundation

Link Original: https://polkadot.network/blog/participating-in-crowdloans/

As Parachains são blockchains que operam de forma independente, paralela e simultânea, em uma grande rede e compõem a primeira camada da rede PolkadotKusama. As Parachains se conectam na Polkadot ou na Kusama por meio de um aluguel de uma “vaga de Parachain” (Parachains Slots) que são espaços disponibilizados para protocolos de blockchain na rede de retransmissão ( também conhecida como “Relay Chain) da Polkadot ou da Kusama.

Qualquer projeto que queira pertencer à rede da Polkadot, para se tornar uma Parachian conectada à Relay Chain, deverá participar de um ou mais leilões de parachains, salvo os projetos de parachains de uso comum, que possuem funcionalidades que beneficiam todo o ecossistema.  Os leilões da Polkadot e da Kusama foram desenhados para permitir com que a comunidade apoie os projetos por meio de uma contribuição direta de DOT ou KSM por meio de um mecanismo de Empréstimo Coletivo, conhecido como “crowd loan”.

Os Empréstimos Coletivos são seguros?

O Empréstimo Coletivo, ou “Crowdloan”, ocorre de forma “on-chain” (ou seja, ocorre na em uma operação dentro da própria blockchain da Polkadot ou Kusama) e serve para apoiar os projetos a atingir uma quantidade de Tokens (DOTs ou KSMs) necessárias para conquistar o mínimo de tokens exigido pelos leilões. Esse mecanismo garante que os tokens contribuídos para um crowdloan sejam usados ​​apenas com a finalidade de disputar uma vaga de parachain. O projeto de uma parachain em si não recebe ou tem qualquer controle desses tokens e não pode transferir, apostar, participar da governança ou executar qualquer outra funcionalidade com eles. O detentor do token original, ou seja, aquele que emprestou os tokens para o projeto, os receberá de volta. Assim, não há risco para o usuário participante de que seu KSM ou DOT seja assumido pelo projeto ou usado para quaisquer outros fins.

Como funciona o processo de um Empréstimo Coletivo (“Crowdloan”)?

Em um crowdloan o DOT ou KSM contribuídos por apoiadores é gerenciado de forma automatizada por meio de um código dentro da rede. Em termos técnicos, o DOT ou KSM são alocados para o leilão de uma parachain por uma  lógica “runtime” e pelo uso de um extrínseco “crowdloan.contribute”. Esse é um tipo especial de transação que permite com que os detentores de tokens possam contribuir em um empréstimo coletivo sem precisar transferir ou desistir para terceiros a custódia de seus tokens.

Ao término do período de locação da Parachain na rede da Polkadot ou da Kusama, ou quando a parachain concorrente de um leilão não consegue ganhar uma vaga no período especificado, os DOTs ou KSMs colocados no leilão são devolvidos aos seus proprietários pela função “runtime”. Para a maioria dos participantes, isso parecerá um processo automático.  No entanto, nos bastidores, esse processo de reembolso pode ser iniciado por qualquer usuário que ative o  extrínseco “crowdloan.refund” e  que pague a taxa de transação (embora o proprietário do projeto parachain seja o usuário incentivado a fazer isso sozinho, a fim de devolver o seu depósito o mais rápido que possível).

De uma perspectiva técnica, participar dos empréstimos coletivos sempre envolve o uso do extrínseco “crowdloan.contribute”. Se você participar via Polkadot-JS, isso aparecerá no canto superior direito da tela depois de inserir o valor e selecionar “contribuir”, e antes de assinar e enviar a transação. Veja aqui um guia passo a passo para participar de um crowdloan usando Polkadot-JS.

Mas caso você esteja usando uma carteira ou plataforma diferente, é importante fazer sua própria pesquisa e garantir que você esteja participando de um empréstimo coletivo legítimo.

Há riscos em transferir DOTs ou KSMs?

Em vez de simplesmente usar o módulo crowdloan, alguns projetos de parachain estão usando, ou já usaram, mecanismos adicionais para obter seus lances de parachain e que consistem em enviar KSM diretamente para contas pertencentes ao projeto de parachain. Observe que levantar tokens dessa forma não é considerado um crowdloan – um crowdloan por definição usa o “pallet”de crowdloan e sua funcionalidade associada.

Embora existam razões legítimas para usar essas formas alternativas de levantar um título de leilão, deve-se estar ciente de que existem certos riscos ao se usar esse mecanismo.

Usar a transferência extrínseca, ou seja, transferir DOT ou KSM para um endereço, significa que os tokens foram irrevogavelmente enviados; quem possui o endereço de recebimento pode enviar os tokens de volta, mantê-los ou fazer qualquer outra coisa com esses tokens, pois agora ele é o proprietário. A decisão está inteiramente na mão dele. Se você decidir participar de um mecanismo que requer uma transferência de DOT ou KSM para um endereço (usando a transferência extrínseca), você deve pesquisar e confiar profundamente no projeto para além de estar ciente dos riscos envolvidos.

Status atual

No momento em que este artigo foi escrito, um primeiro lote de cinco leilões já ocorreu na rede da Kusama, seguido por uma pausa para permitir que as otimizações de rede ocorressem. A próxima rodada de leilões está programada para começar em 1º de setembro. Você pode acompanhar o status dos leilões e empréstimos coletivos da Kusama aqui e na página de Twitter da Kusama.

Leilões e empréstimos coletivos podem começar no Polkadot assim que uma auditoria externa completa for concluída. 

(Nota do Tradutor: Os projetos da Polkadot já começaram e você pode acompanhá-los aqui ou no Twitter da Polkadot).

Ainda com alguma dúvida?

Para obter mais informações sobre os crowdloans nas redes da Polkadot e da Kusama, consulte a página Wiki da Polkadot no link: https://wiki.polkadot.network/docs/mirror-learn-crowdloans

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.